A Inconsistência das Ideologias.

A Inconsistência das Ideologias.

A necessidade de tentar incessantemente reestruturar a realidade a partir de idealismos expressa uma inconsistência e uma imaturidade na compreensão da realidade das coisas. Evidentemente, tal prática é inviável por natureza, a partir da compreensão de que a natureza tem suas próprias leis e a realidade suas próprias regras. Dessa forma é necessário que nos alinhemos então a realidade tal como ela é, e não que idealizemos a estrutura das coisas para tentar moldar tudo aquilo que nos rodeia como se tivessemos poder para isso.

A incompatibilidade das ideologias se dá justamente por serem uma ótica idealista da realidade, não condiz com a natureza das coisas nem com suas leis, tornando a sociedade em um edifício auto-programado para ser demolido.

Todo aquele que compreende as estruturas da realidade está automaticamente impelido de aceita-las, do contrário, seria equivalente a negar o seu próprio intelecto e guerrear contra sua razão natural. Da mesma forma a honestidade daqueles que compreendem a realidade tal como é os direciona a um caminho que necessariamente precisa estar livre de ideologias e idealismos para que consiga verdadeiramente conviver com a realidade existente.

Eric Voegelin (cientista político e filósofo Alemão) procura nos lembrar, no entanto, que entre as formas de se formular a própria cosmovisão a narrativa acaba sendo uma das mais comuns e fundamentais, já que o homem enquanto criador e criatura da sua própria visão de mundo não se coloca como um mero observador imparcial, por mais que se tente ao máximo tratar o mundo de forma objetiva e imparcial em algum momento ele cairá nas escolhas que levarão a imparcialidade, e assim, nas narrativas. Voegelin sugere então que a necessidade de interpretar a realidade como um drama do qual participamos não se manifesta somente nos indivíduos, mas também no nível da coletividade. Embora explicite, concluindo de forma enfática, o perigo obscuro do conceito de representatividade como uma narrativa e os efeitos dela como influência drástica na concepção de responsabilidade, moral e histórica, já que visa diluir a substância humana em um falso pretexto histórico-filosófico.

Profético e acurado, Voegelin compreendia na ascenção das ideologias o perigo e o mal que elas poderiam causar e causavam, nos tempos atuais é evidente o quanto as ideologias políticas tem polarizado todo o mundo em falsas bases consolidadas por figuras que buscam encontrar solo firme em bandeiras de representatividade, trazendo a dispersão da realidade objetiva e tornando a subjetividade como imperialista, relativismo e indiferença com o objetivo e a verdade.

É de suma importância que ao formar a própria cosmovisão ou axiliar na formação de terceiros, tenhamos em mente as concepções naturais das realidades imutáveis e intrinsecas no próprio ser das coisas, para que não pereçamos na inconsistência e constante mutabilidade das ideologias, que inovam sempre firmes sob o solo da política identitária, e que hão de surgir até o fim dos tempos.
Sobre o(a) Autor(a):
Paulo Santos
Paulo H. Santos é universitário de história e estudante voluntário e apaixonado de filosofia entre outras áreas de estudo.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
Paulo Santos
Visual.
230
Última atualização

Mais em Colunistas

Mais de Paulo Santos

Compartilhar

Top Bottom