Brasil já ultrapassou o Reino Unido em vacinação contra o COVID-19, é o 4º do mundo que mais vacina e nosso ritmo é o dobro da média mundial

Dados da Imagem
Imagem ilustrativa (Reprodução / Reuters / Dado Ruvic).

Brasil já ultrapassou o Reino Unido em vacinação contra o COVID-19, é o 4º do mundo que mais vacina e nosso ritmo é o dobro da média mundial​


Aparentemente o Diário do Poder é um dos poucos veículos que sobraram que ainda podem ser considerados como um verdadeiro jornalismo, pois são poucas mídias hoje em dia que realmente trazem qualquer informação relevante para a nossa sociedade (atualmente estão defendendo e glamorizando os traficantes mortos no Rio de Janeiro que entraram em confronto com a polícia).

De qualquer forma, tivemos que trazer as informações da fonte originária, com dados estatísticos bastante interessantes sobre a real situação do Brasil em relação à vitória próxima do país contra a praga chinesa (COVID-19).

Estando atrás apenas da China, Estados Unidos e Índia, todos países que produzem vacinas contra a praga chinesa, o Brasil conforme estamos noticiando está em quarto lugar do mundo em que mais imuniza seus cidadãos, ao contrário do que a mídia comum tenta vender para a população pregando o pânico e tentando culpar o Presidente Bolsonaro ao mesmo tempo por mais uma desgraça em escala mundial causada por um país comunista.

Enquanto o Reino Unido, produtor também de vacinas, administraram 52 milhões de doses o Brasil já ultrapassou o número chegando a 53 milhões, conforme dados da última sexta-feira (08/05/21). Essa informação é da plataforma independente mantida pela Rice University de Houston, Texas (EUA), que pode ser conferido aqui:


Também para informações estatísticas de confiança, temos o Our World In Data, utilizada amplamente no mundo inteiro para análise das mais diversas informações quantificáveis, uma ferramenta gratuita e fantástica, desenvolvida e mantida simplesmente pela Universidade de Oxford:


Ainda, se comparado ao Reino Unido, que tem 16,29 milhões de pessoas 100% imunizadas com duas doses, o Brasil já registra 18 milhões, além de contar com uma população três vezes maior e um início de campanha de imunização com 40 dias em relação aos britânicos.

Nesse sentido, temos 8,5% da população completamente imunizada enquanto o Reino Unido tem já 24%.

Conforme a publicação originária:

Com 1,4 bilhão de habitantes cada, China aplicou 298 milhões de doses e Índia 163 milhões. Os EUA aplicaram 252 milhões de doses no total.

Os EUA imunizaram 32,5% da população e a Índia só 2,29%. China não é exatamente um exemplo de transparência e não há dados detalhados.

Há também uma bela de uma paulada na informação publicada hoje. Achamos engraçado o termo utilizado pelo colunista, que se referiu aos pandeminiuns (como chamamos os amantes da pandemia) como coronalovers. Essa matéria foi basicamente também para atacar a narrativa de que a vacinação no Brasil está "parada" ou seguindo à "passos lentos" - as mesmas historinhas e narrativas para tentar descredibilizar o Governo Federal e seus constantes esforços para conter a peste chinesa.

Realizando uma leitura mais aprofundada do VacinaBrasil.org, o Brasil aplicou ao menos uma dose em mais de 35 milhões de pessoas, um total de 16,5% da população, equivalente ao dobro da média mundial, de apenas 8,11%. Novamente a informação também é confirmada pelo o Our World In Data. O furo foi trazido pelo grande jornalista Cláudio Humberto na fonte originária.

Se falarmos apenas de pessoas 100% imunizadas, ou seja, que tomaram as duas doses da vacina quando requeridas, temos 18 milhões de pessoas, ou 8,4%. Enquanto no resto do mundo a média é de apenas 3,82%.

Já a poderosíssima, socialista e dotada de grande poder Estatal, Alemanha, considerada um país de "primeiro mundo" sob o comando de Merkel por décadas, está arranhando 8,7% da sua população imunizada, mesmo com início da campanha com um mês de antecedência.

O Brasil comparado ao resto da América Latina também está massacrando, que registra uma média de apenas 6,25% da população imunizada contra a praga chinesa.

E o POLITZ segue aqui, sem se vacinar, mas desmentindo narrativas, trazendo informações que ganham pouca repercussão por interesses políticos e buscando sempre a verdade dos fatos, sabendo separar muito bem nossas opiniões editoriais.


Gosta do Nosso Trabalho?
O POLITZ é uma mídia livre, independente e que não recebe qualquer dinheiro público ou político/partidário e é mantida apenas por propagandas e assinaturas dos(as) nossos(as) leitores. Se você gosta do nosso trabalho, considere nos ajudar, desabilitando bloqueadores de propaganda e fazendo uma assinatura de qualquer valor.
Clique aqui para ser direcionado ao nosso Apoia.se

Nota Legal: Nossas publicação são necessariamente baseadas em fontes originárias/primárias/secundárias e são sempre citadas com os devidos links para conferência e verificação à informação, em respeito à responsabilidade solidária na via de dupla checagem dos fatos pelo POLITZ e pelo(a) próprio(a) leitor(a). Repudiamos as chamadas fake news, falsas narrativas e manipulações via desinformação propagadas pelas mídias tradicionais, criando mecanismos duplos para o fact checking.
Opiniões são diferentes de fatos publicados e noticiados e podem não representar necessariamente o posicionamento do POLITZ na qual exerce e defende incondicionalmente o direito à liberdade de expressão, livre manifestação de pensamento, de posicionamento político e religioso (Constituição Federal de 1988, art. 5º, incisos IV, VI, IX, XIX. - Pacto de San José da Costa Rica. Decreto n. 678/1992. arts. 12 e 13. - Declaração Universal dos Direitos Humanos, arts. 18 e 19 e outras legislações nacionais ou internacionais aplicáveis, especialmente nas quais a República Federativa do Brasil é signatária).
Créditos sempre devidos para todos os(as) autores(as), incluindo imagens de capa e do corpo, ilustrações e outras. Em caso de erro, correção, sugestão, violação de direitos autorais, utilize o botão "Denunciar", o formulário de "Contato" ou deixe um comentário. Tais solicitações são tratadas com prioridade.
Fontes das Informações

Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
334
Última atualização

Compartilhar

Top Bottom