Com sua credibilidade totalmente abalada, (des)Organização Mundial da Saúde recua e pede para interromper o uso de lockdowns contra o vírus chinês

A confusa (des)Organização Mundial da Saúde, com sua credibilidade bastante afetada em como lidou com a pandemia causada pela praga chinesa (Coronavírus/Covid-19) vem se mostrando cada vez pior em suas decisões, reviravoltas, recuos e novas decisões, baseadas em uma desordenada ciência que não consegue gerar credibilidade alguma ao mundo, pautando prefeitos e governadores que estão mais perdidos que a própria organização globalista, culminando em lockdowns draconianos que apenas afundaram as economias do mundo inteiro.

E dessa vez não foi diferente. Agora, um conselheiro especial da Organização Mundial de Saúde pediu para que os governos mundiais não usem lockdowns como método primário para controlar as transmissões do vírus chinês (Coronavírus/Covid-19), afirmando que "restrições causaram efeitos negativos dramáticos nas vidas".

David Nabarro, enviado especial da OMS para o Coronavírus, disse que os lockdowns "só têm uma consequência que você nunca deve menosprezar - e que é tornar as pessoas pobres muito mais pobres".

"A única vez em que acreditamos que um lockdown se justifica é para ganhar tempo para reorganizar, reagrupar, reequilibrar seus recursos, proteger seus profissionais de saúde que estão exaustos - mas, em geral, preferimos não fazer isso", disse ele.

O Dr. Nabarro, que fez os comentários em uma entrevista ao The Spectator da Grã-Bretanha, disse que era preferível ter planos de rastreamento e leitos hospitalares para lidar com o Coronavírus.

"E, portanto, realmente apelamos a todos os líderes mundiais: pare de usar o lockdown como método de controle primário. Desenvolva sistemas melhores para fazer isso. Trabalhem juntos e aprendam uns com os outros [...] Parece que podemos muito bem ter uma duplicação da pobreza mundial no próximo ano", disse ele.

“Podemos muito bem ter pelo menos o dobro da desnutrição infantil. Esta é uma catástrofe global terrível e medonha. ”

A intervenção do Dr. Nabarro segue comentários semelhantes feitos por Tedros Ghebreyesus, presidente da organização globalista, que nem médico é, em agosto, nos quais o diretor-geral da OMS descreveu os lockdowns como "não é uma solução de longo prazo para nenhum país".

"Não precisamos escolher entre vidas e meios de subsistência, ou entre saúde e economia. Essa é uma escolha falsa", disse ele em uma entrevista coletiva em agosto.

Partes da Europa estão entrando novamente em lockdowns mais rígidos enquanto outra onda do Ccoronavírus aumenta as taxas de infecção. A Espanha declarou estado de emergência em Madri no fim de semana, enquanto a França registrou números recorde de COVID-19 e fechou bares e restaurantes.

No entanto, algumas autoridades estão tendo problemas para implementar novos lockdowns, com um governo regional da Espanha se opondo a ordens judiciais que proíbem os residentes de deixar a área sem um motivo válido.

O Tribunal de Madrid disse que as restrições eram "interferência das autoridades públicas nos direitos fundamentais dos cidadãos sem mandato legal para apoiá-la".

Na Grã-Bretanha, o governo entregará o controle dos testes e rastreamento do Coronavírus aos conselhos locais, à medida que novos lockdowns entrem em vigor, com algumas das áreas mais afetadas sendo instruídas a evitar tudo, exceto viagens essenciais.

Os modeladores locais de saúde também disseram que os lockdowns prolongados terão um sério impacto na saúde mental e criarão um "sofrimento psicológico elevado". Uma modelagem feita pelo Brain and Mind Centre da University of Sydney sugere que a conta de saúde mental dos lockdowns e desemprego do COVID-19 pode chegar a US $ 114 bilhões em perda de produtividade em cinco anos.
Fontes das Informações
Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
1.168
Última atualização

Compartilhar

Top Bottom