Como adiantado pelo POLITZ, Ministério da Saúde confirma interpretação equivocada sobre compra da vacina chinesa: 'Houve apenas protocolo de intenção'

Durante a polêmica em relação aos fatos relacionados à Coronavac, a vacina defendida e apoiada de forma bastante suspeita por João Doria, ex-aliado do Presidente Jair Bolsonaro, houve uma certa confusão quanto à interpretação dos fatos dessa notícia.

Em nossas publicações, inclusive no Twitter, deixamos bem claro de que existia apenas um "protocolo de intenção de compra" e não uma compra definitiva propriamente dita, como erroneamente diversos jornais como a Revista VEJA e outras da mainstream noticiaram de que o Governo Federal compraria a vacina chinesa.

De qualquer forma, acertamos a nossa análise, fato este que acabou de ser reafirmado pelo próprio Ministério da Saúde, de acordo com as informações publicadas pela fonte originária.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco explicou hoje que houve realmente uma "interpretação equivocada" do acordo firmado pela pasta para a suposta compra de 46 milhões de doses da Coronavac, a vacina chinesa produzida pela estatal da China, Sinovac Biotech em conjunto com o Instituto Butantan, de São Paulo.

Como explicamos diversas vezes, houve um acordo de "protocolo de intenção de compra". Para quem não sabe o que significa intenção, trouxemos para vocês a definição do dicionário:

intenção

substantivo feminino
1. aquilo que se pretende fazer; propósito, plano, ideia.
"sondou-lhe as reais i."
2. aquilo que se procura alcançar, conscientemente ou não; propósito, desejo, intento.
"sua i. era causar-nos aborrecimentos"
3. em moral, o fim que determina um ato, considerado independentemente de sua efetiva realização.
"julgar um ato por sua i. e não pelas consequências"
4. literatura
conjunto de razões, aspirações etc. que levam um escritor a produzir uma obra literária.
Origem: ETIM lat. intentĭo, ōnis 'ação de entesar; tensão; vontade'


Enfim, aparentemente a geração Paulo Freire da educação também pode afetar parte da direita brasileira, o que apenas favorece narrativas da própria oposição.

Elcio Franco declarou:

- "Sobre a reunião de ontem, realizada no Ministério da Saúde, esclarece-se o seguinte: houve uma interpretação equivocada da fala do ministro da Saúde. Em momento nenhum, a vacina foi aprovada pela pasta, pois qualquer vacina depende de análise técnica e aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), pela CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos) e pela Contec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias) no Sistema Único de Saúde [...] Não houve qualquer compromisso com governo do Estado de São Paulo ou seu governador no sentido de aquisição de vacinas contra covid-19. Tratou-se de 1 protocolo de intenções entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan, sem caráter vinculante, por se tratar de 1 grande parceiro do Ministério da Saúde na produção de vacinas para o PNI [Programa Nacional de Imunizações]".


Ele também deixou bem claro que o acordo não significa que não há intenção de compra da vacina chinesa, declarando que o protocolo pode proporcionar uma "vacina brasileira, caso fique disponível antes das outras possibilidades".

- "[O acordo é] mais uma iniciativa para tentar proporcionar vacina segura e eficaz para a nossa população, neste caso com uma vacina brasileira, caso fiquem disponíveis antes das outras possibilidades. Não há intenção de compra de vacinas chinesas [...] A premissa para aquisição de qualquer vacina prima pela segurança, eficácia (ambos conforme aprovação da Anvisa), produção em escala, e preço justo. Quando qualquer vacina estiver disponível, certificada pela Anvisa e adquirida pelo Ministério da Saúde, ela será oferecida aos brasileiros por meio do PNI e, no que depender desta Pasta, não será obrigatória"


Por fim, como todos nós sabemos, hoje o Presidente Jair Bolsonaro colocou um ponto final no assunto: não teremos a vacina chinesa no Brasil.
Fontes das Informações
Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
628
Última atualização

Compartilhar

Top Bottom