• Olá Visitante! Seja muito bem vindo(a)!

    O #FórumPOLITZ é uma Comunidade única, sendo a primeira rede social no estilo de Fórum criada para pessoas que tem sede de conhecimento, conteúdo, informação e que adora uma boa discussão. Prezamos pela liberdade de expressão, em uma rede totalmente segura, livre de censuras e perseguições ideológicas.

    Oferecemos recursos exclusivos, em uma plataforma construída no que há de mais moderno no mundo. Para aproveitar tudo isso, é preciso Criar um Perfil. É rápido, fácil e totalmente gratuito. Você pode usar até a sua conta no Twitter para fazer isso.

    Junte-se a nós, venha se informar e compartilhar o seu conhecimento com a comunidade que mais cresce no Brasil. Esperamos que goste :)

COMPILADO DE TODOS OS VÍDEOS DA PROPAGANDA DO PACOTE ANTICRIME DO MINISTRO SERGIO MORO

Informações da Imagem
Imagem de divulgação do Pacote Anticrime - Créditos: Governo Federal/Ministério da Justiça e Segurança Pública
Introdução

Infelizmente o Tribunal de Contas da União, que, no humilde entendimento jurídico do POLITZ, não possuí a mínima competência para decidir tais questões, manteve hoje a decisão de Vital do Rêgo e suspendeu permanentemente a propaganda do Pacote Anticrime do Ministro Sergio Moro.

Segundo os argumentos proferidos por Vital do Rêgo, a campanha de Sergio Moro "espalha ódio" e que recursos públicos não deveriam ser usados em projetos de autoria do governo que ainda estão tramitando.

Um subprocurador do Ministério Público das Contas, Lucas Rocha Furtado, afirmou que houve "possível direcionamento de verbas publicitárias em decorrência de interesses pessoais e ideológicos do governo" e que ainda as peças "incentivam a sensação de insegurança no Brasil":

- “Nesse sentido, me parece um paradoxo o governo incentivar, através de campanha publicitária favorável ao pacote anticrime proposto pelo atual Ministro da Justiça, a sensação de insegurança no Brasil, quando, constitucionalmente, cabe a esse órgão garantir o direito à segurança dos cidadãos.”
O Ministro do TCU teria atendido ontem aos pedidos de partidos de esquerda, determinando que o Governo Federal suspendesse imediatamente as propagandas do Pacote Anticrime, o que foi confirmado hoje pelo plenário do Tribunal de Contas.

Esse pedido foi feito pelas seguintes pessoas:

  • O comunista Orlando Silva (PCdoB);
  • Raul Teixeira (PT);
  • Marcelo Freixo (PSOL);
  • Todos os integrantes do grupo de trabalho do Pacote Anticrime;
  • E é claro, não poderia faltar a presença do Senador Randolfe Rodrigues (Rede).

Nós aproveitamos para lembrar que o Min. Vital do Rêgo já foi alvo da Operação Lava Jato, porém, o Min. do STF, Edson Fachin teria arquivado as suspeitas de caixa dois em relação a ele. Por outro lado, a parte que envolve os indícios de corrupção e lavagem de dinheiro foi remetida à Justiça Federal do Paraná, sendo que este inquérito está aberto desde maio de 2016.

A reportagem do O Antagonista sobre o caso traz detalhes bastante interessantes sobre as peripécias do Ministro Vital, inclusive o caso de que o ex-senador petista Delcídio Amaral dise que Vital pediu propina para impedir convocações de empreiteiros na CPMI da Petrobras em 2014. O delator Léo Pinheiro e diversos outros executivos da OAS também confirmaram os repasses.

Já o executivo da Andrade Gutierrez, Gustavo Xavier Barreto, também informou que participou de um encontro com a presença de Vital, que ficou claro que a CPMI não poderia "prejudicar as empreiteiras".

A ex-Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, escreveu um ofício para o STF na época:

“Registre-se que o repasse de valores espúrios a Vital do Rêgo, travestido de doação eleitoral oficial, foi usado para camuflar a real intenção das partes, tratando-se de nítido negócio simulado para encobrir a formalidade de transferência de recurso, que não era outro senão adimplir a vantagem indevida e viabilizar a blindagem da convocação dos executivos à CPI da Petrobras. Com efeito, a doação oficial em tais casos pode configurar mecanismo de dissimulação para a o repasse de dinheiro ilícito, fruto de corrupção, o que caracteriza o delito de lavagem de capitais. A Justiça Eleitoral foi apenas o instrumento utilizado para o fim de dissimular a origem espúria e criminosa.”
O Ministro, com toda a sua moral e pomba ao barrar a propaganda, negou tudo. Depoimentos indicam que ele teria recebido pelo menos três milhões de reais e por meio do chamado "caixa 1", teria recebido mais de 1 milhão de reais.

O Pacote Anticrime

Os detalhes do Pacote Anticrime podem ser lidos diretamente no site oficial do Ministério da Justiça e da Segurança Pública:


Essa é a descrição do pacote, de acordo com o próprio Ministério:

Está mais do que na hora de rever a nossa legislação e torná-la mais forte para acabar com a impunidade no Brasil. Esse é o maior objetivo do Pacote Anticrime: um conjunto de medidas para combater o crime organizado, o crime violento e a corrupção. Porque, muitas vezes, a vítima do crime e seus familiares são condenados a viver com a dor de ver o criminoso impune. Como a atual legislação é flexível, o criminoso, quando não consegue escapar da pena pela prescrição, é beneficiado por previsões legais que encurtam o tempo de cumprimento em regime fechado.

Os projetos do Pacote Anticrime deixam a nossa legislação mais adequada aos anseios da população brasileira. Com isso, será possível combater a criminalidade com mais eficiência, agilizar o cumprimento das penas e aprimorar os métodos de investigação.

O Pacote Anticrime pretende tornar as leis mais eficientes para que o Brasil seja um país mais seguro. É preciso garantir o rigor da lei para punir os responsáveis pelos crimes e não as vítimas e o povo brasileiro.
O Ministério da Justiça e da Segurança Pública ainda preparou uma página inteiramente dedicada às notícias do Pacote Anticrime e podem ser acompanhadas no seguinte link:


Os Vídeos da Campanha

Após esse belo resumo preparado por nós, vamos ao que interessa.

O POLITZ decidiu e prometeu ontem que iria trazer todos os vídeos do Pacote Anticrime para o nosso site e que seriam disponibilizados gratuitamente para todos vocês.

E assim foi feito.

Vocês podem assistir aqui mesmo:







































































Por enquanto, todos os vídeos se encontram disponibilizados também no canal do YouTube do Ministério da Justiça e Segurança Pública:


A Campanha #TambémFuiVítima

O POLITZ ontem nesse fatídico dia em que mais uma instituição da "república democrática de direito" brasileira censurou os atos do Governo Federal decidiu lançar uma campanha para apoiar o Ministro Sergio Moro, talvez em uma das ações mais importantes da história em nosso Brasil.

Pedimos que os nossos seguidores contassem como também foram vítimas da criminalidade em nosso país utilizando a hashtag #TambémFuiVítima.

Reunimos alguns tweets que postamos ontem, visto que foi um sucesso com alguns posts chegando em mais de sete mil curtidas:






Fontes das Informações
Todas as fontes originárias estão elencadas diretamente através de seus links no corpo da nossa reportagem.
Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Espalha ódio contra os funcionários das diversas facções que vendem sua humilde mercadoria (cocaína) para bancar os colarinhos brancos que estão no alto escalão do poder.
 
Mandam tirar porque temem que a População ACORDE desse sono profundo.
 

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
2.866
Comentários
5
Última atualização

Mais de POLITZ

Compartilhar

Top Bottom