A república popular chinesa, dominada pela sua estrutura maior (o partido comunista chinês), e povoada por cerca de 1.38 bilhões de habitantes, é uma nação de proporções territoriais notáveis, como também de uma história conturbada da qual fez boa parte do mundo considerá-la problemática ao longo da segunda parte do século passado.
Após uma guerra civil interna, que resultou com a vitória do comunismo sobre os nacionalistas, a sua postura externa passou a ser intimidadora e ofensiva, quando o método secreto e intervencionista não lograva êxito. Isso praticamente já nos daria uma fração de um entendimento, de como seria o verdadeiro modo chinês de agir se ele perdurasse pelas décadas seguintes.

Como a China se abriu para o mundo?

O método comunista perdurou pelas décadas seguintes e a grande nação se viu isolada perante o mundo, e sem grandes conquistas.
Como mecanismo de defesa, o partido comunista temporariamente abriu mão da ideologia para salvar seu império, e a reforma econômica chinesa saiu do papel (1979) na mesma época dos "chicago boys" chilenos, e antes que de uma recessão interna avassaladora.
Elas passavam a serem apoiadas pelo partido comunista nacional, porém com limitações, ou seja, nunca além de sua vontade.
Aos poucos a nação chinesa começou a se envolver com o mundo, e também a estudá-lo mais detalhadamente.

O mundo se abriu para a China, mas ela tinha outros planos.

- O plano de invasão das américas e a pesquisa social chocante.


Demorou anos até que a verdadeira face chinesa voltasse a ser revelada.
Em 2005, um jornal inglês "Epoch times", expôs a revelação de um plano de um general chinês durante a reunião com membros do partido comunista chinês.
Ali foi apresentado uma pesquisa sobre os cidadãos chineses, em que ficou constatado que em caso de guerra, 80% da população aceitaria atirar em crianças, mulheres, e prisioneiros de guerra. (evidenciando uma sociedade altamente instruída a combater pela vontade maior do Estado totalitário)
A educação ideológica chinesa fica mais evidente em outras pesquisas mostradas neste mesmo plano, como a de que a origem do homem asiático, e da raça amarela, é chinesa. E a de que as Américas, haviam sido usurpadas da conquista chinesa.
Conforme a reunião ia desenrolando, uma conversa militar semelhante a da conquista nazista, e com citações a Hitler, ia tomando forma: domínio mundial e superioridade racial.
Tudo isso começando com um inimigo comum, os Estados Unidos.

- Roubo de tecnologia comercial.

Assim como dita a ideologia chinesa comunista, a propriedade intelectual é irrelevante.
Sendo assim, alguns de seus fiéis cidadãos são pegos infiltrados em nações ocidentais estudando segredos comerciais e militares, para copiá-los.

1) Em 2018, um cientista chinês foi preso por roubo, transmissão, e posse não autorizada de segredos comerciais americanos. De acordo com o departamento de justiça dos EUA, ele confessou seus crimes.
2) Ocorreram diversas denúncias de que a empresa chinesa havia roubado o design do Iphone, inclusive modelando sua loja de forma idêntica a da concorrente americana.
Embora a acusação ainda não é conclusa, um chinês suspeito de roubar protótipos do Iphone teve um suicídio misterioso.
3) Motorola ganha ação indenizatória contra empresa chinesa acusada de roubar segredo comercial.
4) Ações de hackers estão caçando informações sigilosas por meio de aplicativos interativos chineses, e causam polêmicas diplomáticas com o ocidente.


- Roubo de tecnologia militar

1) Embora seja costumeiro a prática de tecnologia reversa, ela só é utilizada pelo mundo afora quando em caso de guerra, ou de "copia licenciada". Mas no que diz respeito à China, eles mostram que vivem constantemente em clima de guerra, e se utilizam de todos os equipamentos militares comprados, para roubarem suas tecnologias sem quaisquer permissões: (link = Projeto de caça J-15) e (link= Projeto de helicóptero Harbin - Z-20)
2) Hackers chineses se apoderaram de informações do departamento de defesa norte-americano, que anos mais tarde curiosamente resultou em projetos militares chineses semelhantes aos dos norte-americanos:
https://nationalinterest.org/blog/buzz/china-knows-all-about-f-35-and-f-22-thanks-data-it-stole-61912

Crimes ecológicos

1) As ilhas artificiais;

O que antes eram áreas de recifes, santuários marinhos, hoje se tornaram ilhas artificiais para fins militares, substituindo corais e algas por manufatura e combustão. E durante a criação dessas ilhas, curiosamente não houve protestos de ongs ou de orgãos internacionais: (Link)


2) Pesca predatória;

A pesca predatória é outra prática costumeira chinesa. O objetivo não só alimentar seu povo, como também de alimentar seus soldados para que estejam sempre de prontidão para qualquer guerra. Logo como já virou manchete internacional, grupos de barcos pesqueiros invadem águas internacionais, com apoio de navios militares, e extrapolam os limites da caça aquática.
https://marsemfim.com.br/pesca-ilegal-os-abusados-chineses-no-atlantico-sul/

3) Desmatamento:

E como boa parte das ações chinesas são sigilosas e ilegais, que ainda carecem de regulação internacional, não é difícil encontrar denúncias sobre apoio ao desmatamento, como ações predatórias internas:
https://www.ecodebate.com.br/2012/11/30/china-e-o-maior-comprador-de-madeira-ilegal-e-um-grande-exportador-de-desmatamento-acusa-ong/

* Este é um artigo independente, e cada tópico vêm acompanhado das respectivas fontes e explicações.