#TraduçõesPOLITZ O Atual Diretor da Organização Mundial de Saúde Foi Um Membro do Alto Escalão de um Violento Partido Comunista da Etiópia

Esse artigo faz parte da Série Um Outro Olhar Sobre a Pandemia Chinesa

O Atual Diretor da Organização Mundial de Saúde Foi Um Membro do Alto Escalão de um Violento Partido Comunista da Etiópia

Agora sabemos o motivo pelo qual ele ama a China tanto assim.



Por Paul Joseph Watson.
Artigo traduzido inteiramente pelo POLITZ.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde é um ex-membro de um violento partido comunista revolucionário na Etiópia que negou tratamento médico de emergência a um grupo étnico e é acusado de supervisionar pessoalmente a extradição de dissidentes que mais tarde foram presos e torturados.

Como destacamos anteriormente, Tedros Adhanom Ghebreyesus repetidamente utilizou as mesmas narrativas de discussão do Partido Comunista Chinês, elogiando constantemente a resposta de Pequim ao coronavírus, apesar do fato de a China esconder a verdade sobre sua disseminação e silenciar cientistas e médicos que tentaram alertar o mundo.

Agora sabemos o porquê.

Como John Martin explica em sua excelente peça 'Os Crimes de Tedros Adhanom', durante seu tempo na Etiópia, o chefe da OMS era membro da Frente de Libertação do Povo de Tigray (TPLF), um violento partido revolucionário comunista listado como organização terrorista pelo governo dos EUA nos anos 90.

Segundo um jornal da Etiópia, Adhanom foi listado como o terceiro membro mais importante do comitê permanente do politburo no TPLF.

Martin escreve como o TPLF se envolveu em uma “discriminações e violações sistemáticasde direitos humanos” ao recusar atendimento médico de emergência ao grupo étnico Amhara por causa de sua afiliação ao partido da oposição. O Ministério da Saúde que supervisionou esses abusos foi liderado na época pelo próprio Tedros Adhanom Ghebreyesus, o diretor da Organização Mundial de Saúde.

As taxas de nascimentos foram registradas como significativamente mais baixas na região de Amhara em comparação com outras regiões e 2 milhões de pessoas de Amhara “desapareceram” do censo populacional subsequente.

Como Tucker Carlson destacou no início desta semana, Adhanom "conseguiu seu emprego com apoio chinês depois de cobrir os surtos de cólera em seu país de origem" no Egito.

Vejam o vídeo do jornalista da FOX NEWS:


Tedros negou as alegações, focada nos argumentos de que ele havia minimizado as epidemias de cólera na Etiópia em 2006, 2009 e 2011, narrando-as como "diarréia aguda e aquosa", um claro sintoma da cólera.

“As organizações internacionais foram pressionadas a não chamá-lo de cólera (apesar da ONU ter testado os infectados e encontrado o cólera), e foram pressionadas por funcionários do governo a não revelar o número de infectados. Outra vitória impressionante para o ministro da Saúde ”, escreve Martin.

Depois que ele foi nomeado ministro das Relações Exteriores da Etiópia em 2012, dissidentes e jornalistas de todo o país foram submetidos a uma brutal repressão do governo, levando alguns a fugir para o exílio no Iêmen, nas proximidades.

Adhanom foi pessoalmente responsável por negociar a extradição desses dissidentes de volta à Etiópia, alguns dos quais foram presos e torturados posteriormente.

"Um desses casos foi o cidadão britânico Andy Tsege, preso no aeroporto de Sana'a e condenado duas vezes à morte na Etiópia", escreve Martin. “Isso levou ao envolvimento do governo britânico, que ameaçou negar ajuda à Etiópia, a menos que ele recebesse asilo. Tedros respondeu que Tsege estava “sendo tratado muito bem. Ele até tem um laptop, você já ouviu falar de um prisioneiro político com um laptop? Andy, é claro, depois de seu retorno ao Reino Unido contou uma história um pouco diferente de ser torturado por dias a fio, ao lado de dezenas de outros prisioneiros.”

Dissidentes sendo presos e torturados? Não admira que Adhanom seja tão efusivo em seus elogios à China.

E a história fica muito pior:

Em 2016, o governo etíope tentou forçar a realocação de 15.000 pessoas na região de Oromia porque queria desapropriar suas terras. Isso levou a protestos em massa seguidos de tiroteios em massa e uma debandada que matou pelo menos 500 pessoas, de acordo com a Human Rights Watch. O governo embarcou em outra repressão brutal, prendendo 70.000 pessoas.

Adhanom posteriormente tentou minimizar a violência, alegando falsamente que a polícia não estava armada e que os números não eram tão altos quanto declarado.

Depois de ascender à sua posição elevada na Organização Mundial da Saúde, Adhanom nomeou o ditador assassino em massa Robert Mugabe como "embaixador da boa vontade" na OMS, ao mesmo tempo em que defendia Uhuru Kenyatta, sob cujo governo matou 1.300 pessoas após eleições fraudulentas que ocorreram no país.

“É claro que Tedros tem todas as chances que puder para elogiar a boa governança da China e, dado o histórico de direitos humanos da República Popular, não é de admirar que ele goste tanto deles”, escreve Martin:

- "Em projetos como centros de propaganda na mídia, realocações em massa e cartões de pontuação no estilo de crédito social, a governança da Etiópia se assemelha de várias maneiras a uma cópia carbono do modelo autoritário chinês. Conclua com um estado de partido único e concentre-se no lucro sobre os direitos humanos."
Logo após o surto de coronavírus, a Organização Mundial da Saúde, sob a direção de Tedros Adhanom, ampliou as notícias falsas chinesas de que não havia transmissão "humano a humano" do COVID-19 até 14 de janeiro, apesar de isso já ter ocorrido em dezembro.

A OMS e Adhanom também exigiram repetidamente que os países não imponham controles nas fronteiras, exacerbando a propagação da doença, enquanto parecem estar mais preocupados com o politicamente correto e a "estigmatização" do povo chinês.

“Em um mundo são, em vez de liderar uma organização global, Tedros e seus companheiros seriam julgados no Tribunal Penal Internacional por seus crimes e, se considerados culpados, deveriam passar o resto da vida na prisão”, conclui Martin.
Créditos Autorais:
Paul Joseph Watson. WHO Director Was Top Member of Violent Ethiopian Communist Party. The Summit News. 2020.

Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Essa matéria complementa meu tópico que Taiwan já tava avisando que a OMS não era flor que se cheirava depois que Tedros entrou na OMS:


Obviamente já chegou gente pra conter danos a favor da China.
 
Última vez editado:
ONU e seus organismos internos controlados DEMOCRATICAMENTE pela maioria de países que, ironicamente, são anti-democráticos e alinhados a núcleos de poder geopolítico seguidores de uma certa ideologia que não vou dizer o nome, mas começa com "comu" e termina com "nismo", vulgo marxismo, com pitadas de sua pretensa antítese fascismo.
 

Conteúdo da Série

Estudo Científico: Mortalidade chega à 0,1% A Estratégia da Suécia Vem Mostrando Efetividade OMS afirma a Suécia tem "modelo a ser seguido" Governador de NY se diz chocado: 66% das pessoas internadas pelo vírus chinês estavam em casa, em quarentena. Segundo estudo, Lockdowns contra o Coronavírus causaram milhões de mortes no mundo Estudo científico: Lockdowns/quarentenas não apresentam benefícios contra a pandemia Estudo: 88% dos pacientes internados pelo Coronavírus em Nova York tinham ao menos 2 doenças preexistentes. Outro Prêmio Nobel Critica Previsões e Dispensa Interferência Governamental Sinais de Intervenção Humana No Vírus Chinês Lockdowns Não Provaram Sua Efetividade Nem Comprovações Científicas ou Empíricas Stanford: Vírus Chinês é Menos Mortal que a Gripe Comum E o Ganhador Nobel Está de Volta Criticando Os Lockdowns O Medo, o Pensamento de Manada e os Lockdowns Dados oficiais do CDC contrariam números divulgados por mídias Diretor da OMS Foi Membro de Um Violento Partido Comunista na Etiópia A Falha do Modelo Italiano de Isolamento/Quarentena Estudo da Alemanha: Maioria da população já está imune Os Lockdowns e Quarentenas Não Vão Parar a Pandemia Cientistas Chineses: 'Parece uma combinação de AIDS e SARS' Coronavírus pode ser arma biológica da China Ganhador de Prêmio Nobel: 'Coronavírus foi criado em laboratório e tem traços do HIV' Praga chinesa pode ter começado em setembro, segundo cientistas de Cambridge Epidemiologista Suéco: Quarentenas e Lockdowns são medidas erradas Harvard: Dados de Satélite Indicam Coronavírus Ativo Desde Outubro/2019 Governo de São Paulo erra previsões fatais em pelo menos 55% Estudo de Harvard: Mortalidade é menor do que o estimado pela OMS Brasil com menor índice de letalidade Cientista do Reino Unido erra feio em previsão de letalidade A Solução da Suécia

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
1.578
Comentários
2
Última atualização

Compartilhar

Top Bottom