Pelo menos 55 pessoas já morreram nos Estados Unidos após receberem suas vacinas contra a praga chinesa, conforme Sistema de Notificações de Saúde

Dados da Imagem
Profissionais de saúde americanos recebem sua vacina contra o vírus chinês em Ritchie Valens na Califórnia (Marcio Jose Sanchez / AP Photo / 13/01/21).

Pelo menos 55 pessoas já morreram nos Estados Unidos após receberem suas vacinas contra a praga chinesa, conforme Sistema de Notificações de Saúde​


Pelo menos 55 pessoas foram registradas como mortas após receberem vacinas contra a praga chinesa (Coronavírus/Covid-19), é o que afirma o pr'prio Sistema Federal de Notificações de Saúde, de acordo com a fonte primária elencada logo abaixo da nossa reportagem.

Conforme as informações divulgadas, os casos fatais ocorreram após a administração das vacinas da Moderna e da Pfizer-BioNTech. Os dados são do próprio Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS), ou, em tradução livre, Sistema de Notificações de Eventos Adversos de Vacinas, que é uma base de dados do Governo Federal americano.

O sistema funciona de forma passiva, sendo necessário que as notificações sejam preenchidas manualmente, desde pacientes, médicos, funcionários da saúde pública e membros familiares das possíveis vítimas.

Os relatórios VAERS "muitas vezes carecem de detalhes e às vezes podem conter informações que contêm erros", de acordo com o site do sistema de relatórios. Ainda assim, os relatórios sobre VAERS representam "apenas uma pequena fração dos eventos adversos reais", afirma o site, embora se acredite que a subnotificação seja menos comum para eventos graves.

Em alguns casos, os pacientes morreram poucos dias após serem vacinados.

Um homem, um residente domiciliar idoso de 66 anos de idade no Colorado, estava com sono e ficou na cama um dia depois de receber a vacina de Moderna. Na manhã seguinte, ele "foi observado na cama, ainda deitado, pálido, olhos semicerrados e espuma saindo da boca e sem resposta", afirma o relatório do VAERS. "Ele não estava respirando e sem pulso."

Em outro caso, um homem de Dakota do Sul de 93 anos foi injetado com a vacina Pfizer-BioNTech em 4 de janeiro por volta das 11h. Cerca de duas horas depois, ele disse que estava cansado e não podia continuar com a fisioterapia que estava fazendo. Ele foi levado de volta para seu quarto, onde disse que suas pernas estavam pesadas. Logo depois, ele parou de respirar. Uma enfermeira declarou uma ordem de não ressuscitar.

Embora Moderna e Pfizer não tenham respondido imediatamente aos pedidos de comentários, Abigail Capobianco, porta-voz da Food and Drug Administration (FDA), disse à fonte originária por e-mail: "Quaisquer relatos de morte após a administração de vacinas são imediata e rigorosamente investigado em conjunto pelo FDA e os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC)".

Funcionários das agências trabalham com prestadores de cuidados de saúde para obter históricos médicos e informações de acompanhamento clínico e conduzir uma revisão de caso clínico, disse ela, acrescentando: "É importante notar que geralmente não é possível descobrir a partir de dados VAERS se uma vacina causou um evento adverso".

Autoridades de saúde no site VAERS alertam que um relatório ao sistema não prova que uma vacina causou o evento adverso; Não é necessária a prova de que o evento foi causado pela vacina para que o sistema aceite a notificação.


Além das mortes, as pessoas relataram 96 eventos com risco de vida após as vacinações COVID-19, bem como 24 incapacidades permanentes, 225 hospitalizações e 1.388 visitas ao pronto-socorro.

Nem o CDC nem o FDA têm um banco de dados central de eventos adversos relatados. Nancy Messonnier, diretora do Centro Nacional de Imunização e Doenças Respiratórias do CDC,
disse em 6 de janeiro que reações alérgicas graves às vacinas COVID-19 estavam acontecendo a uma taxa de 11,1 por milhão de vacinações, em comparação com a taxa de 1,3 por milhão de vacinas contra a gripe.

Em 15 de janeiro, 10,5 milhões de americanos receberam a vacina COVID-19. Autoridades de saúde federais disseram que os eventos adversos estão sendo investigados, mas que as vacinas ainda são seguras.


"São vacinas seguras e eficazes. Temos bons dados para mostrar isso", disse Messonnier.

Uma morte após a vacinação atraiu a atenção no início desta semana. Gregory Michael, um trabalhador médico de 56 anos do Mount Sinai Medical Center em Miami, foi imunizado em 18 de dezembro de 2020. Dezesseis dias depois, ele morreu.

A esposa de Michael, Heidi Neckelmann, disse no Facebook que seu marido era "muito saudável" antes de ser vacinado. Ela disse que ele foi internado em uma unidade de terapia intensiva com diagnóstico de púrpura trombocitopênica idiopática aguda, um distúrbio do sangue, supostamente causado por uma reação à vacina. Ele morreu posteriormente.


"Ele era um defensor da vacina, é por isso que ele mesmo conseguiu", escreveu Neckelmann. "Acredito que as pessoas devam estar cientes de que efeitos colaterais podem acontecer, que não é bom para todos, e neste caso destruiu uma vida linda, uma família perfeita, e tem afetado tantas pessoas na comunidade. Não deixe sua morte ser em vão, por favor, salve mais vidas tornando esta informação notícia."

A Pfizer disse à imprensa em um comunicado que nenhuma evidência atualmente mostra uma ligação entre essa morte e sua vacina.


"A Pfizer e a BioNTech estão cientes da morte de um profissional de saúde 16 dias após receber a primeira dose de BNT162b2", disse a farmacêutica em um comunicado. "É um caso clínico altamente incomum de trombocitopenia grave, uma condição que diminui a capacidade do corpo de coagular o sangue e parar o sangramento interno."

"Estamos investigando ativamente este caso, mas não acreditamos no momento que haja qualquer conexão direta com a vacina", disse a empresa.

"Não houve sinais de segurança relacionados identificados em nossos ensaios clínicos, na experiência pós-comercialização até agora, ou com a plataforma de vacina de mRNA. Até o momento, milhões de pessoas foram vacinadas e estamos monitorando de perto todos os eventos adversos em indivíduos que recebem nossa vacina. É importante observar que eventos adversos graves, incluindo mortes não relacionadas à vacina, infelizmente têm probabilidade de ocorrer em uma taxa semelhante à que aconteceriam na população em geral."

Um porta-voz da Pfizer disse à fonte originária por e-mail no início deste mês que a empresa "monitora de perto todos os relatórios após a vacinação." A Moderna não respondeu aos pedidos de comentários sobre seu envolvimento no monitoramento de eventos adversos graves em pessoas que recebem sua vacina.

Os dados atualizados do VAERS vieram depois que a Noruega alterou seu guia de vacinação COVID-19 para instruir os funcionários a não darem vacinas a pessoas "muito frágeis", citando 13 mortes entre pessoas que foram vacinadas.

O POLITZ também noticiou a situação da Noruega recentemnete:

Agência de Medicina da Noruega liga 13 de 23 mortes de idosos possivelmente causadas por efeitos colaterais da vacina da Pfizer contra o vírus chinês

Agência de Medicina da Noruega liga 13 de 23 mortes de idosos possivelmente causadas por efeitos colaterais da vacina da Pfizer contra o vírus chinês

Agência de Medicina da Noruega liga 13 de 23 mortes de idosos possivelmente causadas por efeitos colaterais da vacina da Pfizer contra o vírus chinês (Coronavírus/Covid-19) Trouxemos uma importante notícia, afinal, não é só de paz e amor e vacinas que o POLITZ vive. Também vivemos para trazer...

Gosta do Nosso Trabalho?
O POLITZ é uma mídia livre, independente e que não recebe qualquer dinheiro público ou político/partidário e é mantida apenas por propagandas e assinaturas dos(as) nossos(as) leitores. Se você gosta do nosso trabalho, considere nos ajudar, desabilitando bloqueadores de propaganda e fazendo uma assinatura de qualquer valor.
Clique aqui para ser direcionado ao nosso Apoia.se

Nota Legal: Nossas publicação são necessariamente baseadas em fontes originárias/primárias/secundárias e são sempre citadas com os devidos links para conferência e verificação à informação, em respeito à responsabilidade solidária na via de dupla checagem dos fatos pelo POLITZ e pelo(a) próprio(a) leitor(a). Repudiamos as chamadas fake news, falsas narrativas e manipulações via desinformação propagadas pelas mídias tradicionais, criando mecanismos duplos para o fact checking.
Opiniões são diferentes de fatos publicados e noticiados e podem não representar necessariamente o posicionamento do POLITZ na qual exerce e defende incondicionalmente o direito à liberdade de expressão, livre manifestação de pensamento, de posicionamento político e religioso (Constituição Federal de 1988, art. 5º, incisos IV, VI, IX, XIX. - Pacto de San José da Costa Rica. Decreto n. 678/1992. arts. 12 e 13. - Declaração Universal dos Direitos Humanos, arts. 18 e 19 e outras legislações nacionais ou internacionais aplicáveis, especialmente nas quais a República Federativa do Brasil é signatária).
Créditos sempre devidos para todos os(as) autores(as), incluindo imagens de capa e do corpo, ilustrações e outras. Em caso de erro, correção, sugestão, violação de direitos autorais, utilize o botão "Denunciar", o formulário de "Contato" ou deixe um comentário. Tais solicitações são tratadas com prioridade.
Fontes das Informações
  • Wow
Reactions: cranbonic
Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
750
Última atualização

Compartilhar

Top Bottom