Presidente Donald Trump recebe a terceira nomeação em um mês para o Prêmio Nobel da Paz por professores australianos de direito

E que comece a choradeira. Pela terceira vez seguida, o Presidente Donald Trump dos Estados Unidos voltou a receber uma nova nomeação para o Prêmio Nobel da Paz, segundo a fonte originária.

Na última segunda-feira, quatro professores da Austrália que lecionam direito, nomearam novamente o Presidente americano para o Prêmio Nobel, citando a chamada "Doutrina Trump", que consiste no esforço de Trump em acabar com guerras e conflitos externos.

Em conversa com a Sky News na Austrália, o professor de direito David Flint explicou porque ele e seus colegas decidiram nomear Trump, apontando para o que ele chamou de Doutrina Trump como algo extraordinário que merece reconhecimento global. Flint disse que apoiava Trump porque:

Ele é guiado por duas coisas, que parecem estar ausentes de tantos políticos. Em primeiro lugar, ele tem bom senso e só se orienta por um interesse nacional e, portanto, em nossas circunstâncias, um interesse pela aliança ocidental.

O que ele fez com a Doutrina Trump é que decidiu que não teria mais a América envolvida em guerras sem fim, guerras que nada alcançam, mas a matança de milhares de jovens americanos e enormes dívidas impostas à América.


Durante sua entrevista, Flint também falou sobre o recente acordo de paz anunciado por Trump entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, tornando este último o terceiro país árabe a fazer a paz com a nação judaica.

"O que Donald Trump fez foi ir contra todos os conselhos, mas ele o fez com bom senso, ele negociou diretamente com os estados árabes envolvidos e Israel e os reuniu. E os estados estão se alinhando, árabes e do Oriente Médio, para se juntar a essa rede de paz, que dominará o Oriente Médio" disse Flint.

Flint também aplaudiu como o presidente “acalmou as tensões em relação à Coreia” e se retirou do acordo nuclear negociado por Obama com o Irã e do acordo climático de Paris como razões para apoiá-lo ao prêmio.

A indicação da Austrália é a terceira em menos de um mês a reconhecer o trabalho de Trump no cenário diplomático global.

No início deste mês, o político norueguês Christian Tybring-Gjedde indicou Trump por seu trabalho na facilitação de um acordo de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, como já relatado.

Em 2018, Tybring-Gjedde também indicou Trump ao Prêmio Nobel por seu trabalho para trazer a paz entre a Coreia do Sul e do Norte.

Ele foi acompanhado por um membro do Parlamento sueco, uma semana depois, que indicou Trump para um segundo Prêmio Nobel em homenagem a seu trabalho em Kosovo e na Sérvia.

Tais indicações são todas para as premiações do ano de 2021.
Fontes das Informações
Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
210
Última atualização

Compartilhar

Top Bottom