Todas As Reportagens Censuradas do The New York Post Mostrando o Conluio da Família de Joe Biden Com a China e Ucrânia Traduzidas

Todas As Reportagens Censuradas do The New York Post Mostrando o Conluio da Família de Joe Biden Com a China e Ucrânia Traduzidas


Reportagens publicadas por diversos autores(as) para o The New York Post.
Artigos traduzidos e adaptados integralmente pelo POLITZ.

Introdução:

Diante da recente situação onde o jornal americano de mainstream, de altíssimo alcance mundial, onde foram publicadas diversas reportagens com documentos e e-mails vazados mostrando o envolvimento da família do presidenciável Joe Biden com conspirações esquisitas com a Ucrânia e a China que acabaram sendo censuradas amplamente pelas redes sociais, inclusive pelo próprio Twitter e pela rede Facebook, o POLITZ, em razão do direito do exercício ao jornalismo e ao acesso democrático à informação, decidimos traduzir na íntegra todas as reportagens.

O jornal americano, não possuindo jurisdição e alcance no Brasil, não deu qualquer autorização ou permissão para que o conteúdo fosse traduzido, o que nos leva a adiantar reproduzir jornalisticamente o conteúdo, diante da gravidade dos fatos relatados, o interesse público extremo sobre o assunto e também o direito ao acesso democrático às informações.

Esclarecemos que todos os créditos e direitos autorais são devidos ao The New York Post, bem como o belíssimo e honrado trabalho feito pelos jornalistas envolvidos nessas reportagens. O link para cada uma das reportagens originais estão disponibilizados abaixo para a devida conferência, dando os devidos créditos, bem como, citando o nome de cada jornalista em cada publicação.

O trabalho de tradução é feito manualmente, sendo passível de erros, na qual o POLITZ tentará adaptar as informações da melhor forma possível passando o contexto original envolvido da intenção original dos autores.

Caso encontrem algum erro, tenham alguma crítica, sugestão ou qualquer outro problema, utilize a ferramenta Denunciar logo abaixo do post, ou até mesmo pela seção de comentários.

Com as considerações iniciais feitas, passamos agora para as reportagens, na ordem na qual elas foram publicadas.




Um e-mail bombástico vazado revela como Hunter Biden apresentou um empresário ucraniano ao pai do vice-presidente na época, Joe Biden

Por Emma-Jo Morris e Gabrielle Fonrouge
Hunter Biden apresentou ao seu pai, o então vice-presidente Joe Biden, a um alto executivo de uma empresa de energia ucraniana menos de um ano antes de Biden pressionar funcionários do governo ucraniano a despedir um promotor que investigava a empresa, de acordo com e-mails obtidos por The Post.

A reunião nunca antes revelada é mencionada em uma mensagem de agradecimento de que Vadym Pozharskyi, um consultor do conselho do Burisma, supostamente enviou a Hunter Biden em 17 de abril de 2015, cerca de um ano depois de Hunter ingressar no conselho do Burisma com um salário de até $ 50.000 por mês.

"Caro Hunter, obrigado por me convidar para DC e dar a oportunidade de conhecer seu pai e passar [sic] algum tempo juntos. É uma realidade [sic] uma honra e um prazer", diz o e-mail.

Um e-mail anterior de maio de 2014 também mostra Pozharskyi, supostamente o executivo número 3 do Burisma, pedindo a Hunter "conselhos sobre como você pode usar sua influência" em nome da empresa.

A correspondência de sucesso - que vai contra a afirmação de Joe Biden de que ele "nunca falou com meu filho sobre seus negócios no exterior" - está contida em um enorme tesouro de dados recuperados de um laptop.

1602791813922.png

O computador foi deixado em uma assistência técnica em Delaware, estado de Biden, em abril de 2019, de acordo com o proprietário da loja.

Outro material extraído do computador inclui um vídeo obsceno de 12 minutos que parece mostrar Hunter, que admitiu ter problemas de dependência, fumando crack enquanto praticava um ato sexual com uma mulher não identificada, bem como inúmeras outras imagens sexualmente explícitas.

O cliente que trouxe o MacBook Pro danificado pela água para conserto nunca pagou pelo serviço ou o recuperou ou um disco rígido no qual seu conteúdo estava armazenado, de acordo com o dono da loja, que disse ter tentado várias vezes entrar em contato com o cliente.

O dono da loja não conseguiu identificar positivamente o cliente como Hunter Biden, mas disse que o laptop trazia um adesivo da Fundação Beau Biden, em homenagem ao falecido irmão de Hunter e ex-procurador-geral de Delaware.

Fotos de uma intimação federal de Delaware dada ao The Post mostram que o computador e o disco rígido foram apreendidos pelo FBI em dezembro, depois que o dono da loja disse que alertou os federais sobre sua existência.

1602791938231.png


1602791950115.png


1602791958402.png

Imagens: Uma intimação federal mostrando que o computador e o disco rígido foram apreendidos pelo FBI.

Mas antes de entregar o equipamento, segundoo dono da loja, ele fez uma cópia do disco rígido e depois o deu ao advogado do ex-prefeito Rudy Giuliani, Robert Costello.

Steve Bannon, ex-conselheiro do presidente Trump, disse ao Post sobre a existência do disco rígido no final de setembro e Giuliani forneceu ao Post uma cópia dele no domingo.

Menos de oito meses depois de Pozharskyi agradecer a Hunter Biden pela apresentação a seu pai, o então vice-presidente, admitiu ter pressionado o presidente ucraniano Petro Poroshenko e o primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk para que se livrassem do procurador-geral Viktor Shokin, ameaçando reter uma garantia de empréstimo de US $ 1 bilhão durante uma viagem de dezembro de 2015 a Kiev.

"Eu olhei para eles e disse: estou saindo em seis horas. Se o promotor não for demitido, você não receberá o dinheiro", Biden se gabou de forma infame para o Conselho de Relações Exteriores em 2018.

"Bem, filho da puta. Ele foi demitido."
Shokin disse que no momento de sua demissão, em março de 2016, ele fez "planos específicos" para investigar Burisma que "incluíam interrogatórios e outros procedimentos de investigação de crime em todos os membros do conselho executivo, incluindo Hunter Biden."

Joe Biden insistiu que os EUA queriam que Shokin fosse removido por causa de preocupações com corrupção, compartilhadas pela União Europeia.

Enquanto isso, um e-mail datado de 12 de maio de 2014 - logo após Hunter Biden ingressar no conselho da Burisma - mostra Pozharskyi tentando fazer com que ele use sua influência política para ajudar a empresa.

A mensagem tinha o assunto "questão urgente" e também foi enviada ao parceiro de negócios de Hunter Biden, Devon Archer, que também estava no conselho da Burisma na época.


Pozharskyi disse que "os representantes das novas autoridades no poder tendem a abordar N. Z. de forma não oficial, de forma bastante agressiva, com o objetivo de obter dinheiro dele".

N.Z. não é identificado no e-mail, mas parece ser uma referência ao fundador do Burisma, Mykola Zlochevsky, cujo primeiro nome é uma versão ucraniana de "Nicolau".

Quando a suposta reforma falhou, "eles prosseguiram com ações concretas" na forma de "um ou mais procedimentos pré-julgamento", escreveu Pozharskyi.

"Precisamos urgentemente de seu conselho sobre como você pode usar sua influência para transmitir uma mensagem / sinal, etc. para interromper o que consideramos ações com motivação política", acrescentou.

Hunter Biden respondeu dizendo que estava com Archer em Doha, Qatar, e pediu mais informações sobre "as acusações formais (se houver) feitas contra o Burisma".

"Quem está por trás desses ataques à empresa? Quem no atual governo interino poderia pôr fim a tais ataques?" ele adicionou.

A troca ocorreu no mesmo dia em que o Burisma anunciou que havia ampliado seu conselho de administração com a inclusão de Hunter Biden, que foi encarregado de sua "unidade jurídica e dará suporte à empresa entre os organismos internacionais", segundo nota à imprensa desde então foi apagado do site do Burisma.

Hunter Biden entrou para o conselho em abril de 2014, de acordo com vários relatórios.

Seu advogado disse no ano passado que Hunter "não era um membro da equipe de gestão", acrescentando: "Em nenhum momento Hunter foi responsável pelos assuntos jurídicos da empresa".

Cerca de quatro meses após a correspondência de Hunter Biden com Pozharskyi, Archer encaminhou a Hunter Biden uma cadeia de e-mail com o assunto "impacto do aumento de impostos na produção de burisma", que incluía Pozharskyi dizendo que o gabinete ucraniano havia apresentado nova legislação tributária ao parlamento do país.

Neste momento da reportagem, um álbum de fotos da família de Joe Biden é postado, na qual, o POLITZ suprimiu a sua republicação já que não há nenhuma relação com o caso. São apenas imagens familiares encontradas no disco rígido do computador.

"Se promulgada, esta lei mataria todo o setor privado de produção de gás pela raiz", escreveu Pozharskyi.

No e-mail de 24 de setembro de 2014, Pozharskyi também disse que "iria compartilhar esta informação com a embaixada dos EUA aqui em Kiev, bem como com o escritório do Sr. Amos Hochstein nos Estados Unidos".

Na época, Hochstein era o recém-nomeado enviado especial do Departamento de Estado e coordenador para assuntos internacionais de Energia.

Em dezembro de 2017, o Naftogaz Group, empresa estatal de energia da Ucrânia, anunciou que Hochstein havia ingressado na empresa como diretor independente, mas na segunda-feira ele anunciou sua renúncia.

"A empresa foi forçada a gastar uma quantidade infinita de tempo no combate à pressão política e aos esforços dos oligarcas para enriquecer por meio de transações questionáveis", escreveu Hochstein em um artigo publicado pelo Kyiv Post.

Além de negar que falou com Hunter Biden sobre suas negociações comerciais no exterior, Joe Biden negou repetidamente qualquer conflito de interesse ou irregularidade cometido por qualquer um deles envolvendo o Burisma.

Em fevereiro passado, ele ficou irritado durante uma aparição no programa "Today" da NBC, quando a co-apresentadora Savannah Guthrie questionou se era "errado [Hunter] assumir essa posição, sabendo que era realmente porque aquela empresa queria ter acesso a você."

"Bem, isso não é verdade. Você está dizendo coisas que não sabe do que está falando", respondeu o velho Biden.

1602793456454.png

1602793485919.png

1602793492457.png

1602793500984.png

Imagens: Fotos de Hunter Biden encontradas no computador.
Em dezembro passado, Joe Biden também atacou durante um evento democrata na prefeitura de Iowa, onde um homem o acusou de enviar Hunter à Ucrânia "para conseguir um emprego e trabalhar para uma empresa de gás, ele não tinha experiência com gás ou nada, em para obter acesso ao... presidente."

"Você é um mentiroso, cara. Isso não é verdade e ninguém nunca disse isso", disse Biden com raiva.

Biden então continuou a repreender o homem enquanto ele se adiantava, chamava o homem de "gordo" e o desafiava a "fazer flexões juntos, cara".

O FBI encaminhou as questões sobre a apreensão do laptop e do disco rígido ao Gabinete do Procurador-Geral de Delaware, onde um porta-voz disse: "Meu escritório não pode confirmar nem negar a existência de uma investigação".

O advogado de Hunter Biden se recusou a comentar os detalhes, mas em vez disso atacou Giuliani.

“Ele tem defendido teorias de conspiração amplamente desacreditadas sobre a família Biden, contando abertamente com atores ligados à inteligência russa", disse o advogado George R. Mesires sobre Giuliani.

Pozharskyi e a campanha de Joe Biden não retornaram pedidos de comentários. Hochstein não foi encontrado.

Reportagem adicional de Ebony Bowden.




1602793763061.png

O Facebook está CENSURANDO o alcance e disseminação das reportagens sobre Hunter Biden do The Post

Por Noah Manskar

O Facebook agiu na quarta-feira para limitar a disseminação e alcance das reportagens do The Post sobre e-mails bombásticos do laptop de Hunter Biden que mostram que ele apresentou seu pai, Joe Biden, na época, vice-presidente de Barack Obama, a um executivo ucraniano de energia - um movimento que levou a campanha do presidente Trump a acusar a empresa de "interferir" em a eleição.

A rede social também pode ter verificadores de fatos independentes que examinam a história exclusiva com base nos e-mails de Hunter Biden, de acordo com o porta-voz do Facebook Andy Stone.

"Embora eu intencionalmente não crie um link para o New York Post, quero deixar claro que esta história pode ser verificada pelos parceiros de checagem de fatos terceirizados do Facebook", disse Stone no Twitter. “"nquanto isso, estamos reduzindo sua distribuição em nossa plataforma."

Não ficou imediatamente claro a partir do tweet de Stone se o Facebook aplicaria esse tratamento a apenas uma ou todas as histórias do Post sobre a correspondência privada de Biden, que foi obtida de um disco rígido deixado em uma loja de conserto de computadores em Delaware.

1602793889131.png

Imagem: Hunter Biden (Créditos: Kris Connor/WireImage).
O Facebook geralmente pede que verificadores de fatos analisem histórias que a empresa acredita conter informações incorretas. O titã do Vale do Silício diz que adiciona rótulos ao conteúdo que foi verificado para que "as pessoas possam ler o contexto adicional".

O Facebook não respondeu imediatamente a um e-mail perguntando por que decidiu limitar a divulgação da história e se um verificador de fatos começou a analisá-la.

A medida atraiu fogo imediato na campanha de Trump, que acusou o Facebook de tentar inclinar a eleição de 2020 a favor de Biden.

"O Facebook está interferindo ativamente na eleição", tuitou a campanha de Donald Trump. “O Facebook está manipulando a eleição de Joe Biden.”


Enquanto isso, o Twitter alertou alguns usuários que tentaram retuitar o artigo - o que levou a uma investigação do Senado dos EUA - que "as manchetes não contam a história completa". O Twitter disse que o objetivo do rótulo é incentivar os usuários a ler o artigo antes de compartilhá-lo.

O aviso "é parte de um teste que estamos fazendo agora. Não depende do meio de comunicação do artigo ou do conteúdo do artigo", disse o porta-voz do Twitter, Trenton Kennedy, ao The Post por e-mail.




1602794148849.png

E-mails bombásticos vazados revelam como Hunter Biden tentou lucrar (e muito) em nome da sua família com uma empresa chinesa

Por Emma-Jo Morris e Gabrielle Fonrouge

Hunter Biden buscou negócios lucrativos envolvendo a maior empresa privada de energia da China - incluindo um que ele disse que seria "interessante para mim e minha família", em e-mails obtidos pelo The Post.

Um e-mail enviado a Biden em 13 de maio de 2017, com o assunto "Expectativas", incluía detalhes de "pacotes de remuneração" para seis pessoas envolvidas em um empreendimento comercial não especificado.

Biden foi identificado como "Presidente / Vice-Presidente, dependendo do acordo com o CEFC", uma aparente referência ao antigo conglomerado CEFC China Energy Co.

Seu pagamento foi fixado em "850" e o e-mail também observou que "Hunter tem algumas expectativas de escritório que ele elaborará."

Além disso, o e-mail delineou um "acordo provisório" sob o qual 80 por cento do "patrimônio", ou ações da nova empresa, seriam divididos igualmente entre quatro pessoas cujas iniciais correspondem ao remetente e três destinatários, com "H" aparentemente referindo-se a Biden.

1602794968259.png

Imagem: Um dos e-mails obtidos pelo The Post.

O negócio também listava "10 Jim" e "10 detido por H para o grandalhão?"

Nem Jim nem o "grandalhão" foram identificados posteriormente.

O autor do e-mail, James Gilliar, da empresa de consultoria internacional J2cR, também observou: "Estou feliz em levantar qualquer detalhe com Zang se houver [sic] deficiências?"

"Zang" é uma referência aparente a Zang Jian Jun, o ex-diretor executivo do CEFC China.

O e-mail está contido em um tesouro de dados que o proprietário de uma loja de conserto de computadores em Delaware disse ter sido recuperado de um laptop MacBook Pro que foi deixado em abril de 2019 e nunca foi devolvido ao dono, supostamente, Hunter Biden, filho de Joe Biden.

O computador foi apreendido pelo FBI e uma cópia de seu conteúdo feita pelo dono da loja compartilhada com o Post esta semana pelo ex-prefeito Rudy Giuliani.

1602795070931.png

Imagem: Mais fotos de Hunter Biden, suposto usuário de crack, obtidas do computador apreendido pelo FBI.

Outro e-mail - enviado por Biden como parte de uma rede de 2 de agosto de 2017 - envolveu um acordo que ele fechou com o presidente do CEFC, Ye Jianming, desaparecido, pela metade da propriedade de uma holding que deveria fornecer a Biden mais de $ 10 milhões por ano.

Ye, que tinha ligações com o serviço militar e de inteligência chinês, não foi visto desde que foi levado sob custódia pelas autoridades chinesas no início de 2018, e o CEFC faliu no início deste ano, de acordo com relatórios.

Biden escreveu que Ye havia adoçado os termos de um contrato anterior de consultoria de três anos com o CEFC, que lhe pagaria US $ 10 milhões anuais "apenas pelas apresentações".

"O presidente mudou o negócio depois que nós [t] em MIAMI PARA UM ARRANJO MUITO MAIS DURADOURO E LUCRATIVO para criar uma holding com 50% por cento [sic] de propriedade de ME e 50% de sua propriedade”, escreveu Biden.

1602795181033.png

Imagem: Outro e-mail obtido pelo The Post, contendo a informação: "UM ACORDO MUITO MAIS DURADOURO E MUITO MAIS LUCRATIVO" [sic].

"As taxas de consultoria são uma parte de nosso fluxo de receita, mas o motivo pelo qual esta proposta do presidente foi muito mais interessante para mim e minha família é que também seríamos sócios no patrimônio e nos lucros da joint venture de investimentos."

Uma foto datada de 1º de agosto de 2017 mostra um fluxograma escrito à mão da propriedade de "Hudson West" dividido 50/50 entre duas entidades controladas por Hunter Biden e alguém identificado como "Presidente".

1602795283165.png

De acordo com um relatório sobre os negócios internacionais de Biden divulgado no mês passado por Sens. Ron Johnson (R-Wis.) E Chuck Grassley (R-Iowa), uma empresa chamada Hudson West III abriu uma linha de crédito em setembro de 2017.

Os cartões de crédito emitidos contra a conta foram usados por Hunter, seu tio James Biden e a esposa de James, Sara Biden, para comprar mais de US $ 100.000 "em itens extravagantes, incluindo passagens aéreas e vários itens em lojas, farmácias, hotéis e restaurantes", disse o relatório.

A empresa foi dissolvida, e o escritório de advocacia de Hunter Biden, Owasco PC, era um dos dois proprietários, de acordo com o relatório.

O e-mail de Biden foi enviado para Gongwen Dong, a quem o Wall Street Journal em outubro de 2018 vinculou à compra por empresas ligadas a Ye de dois apartamentos de luxo em Manhattan que custaram um total de US $ 83 milhões.

Dong, dono de uma grande mansão em Great Neck, LI, foi identificado em relatórios como CFO do Kam Fei Group, uma empresa de investimentos com sede em Hong Kong.

1602795377129.png

Imagem: Ye Jianming, ex-presidente do conglomerado CEFC China Energy, com sede em Xangai.

1602795401348.png

Imagem: Dr. Chi Ping (Créditos: AP).

1602795429478.png

Imagem: Vista de uma tabuleta da China CEFC Energy Co., Ltd. (Créditos: AP Images).

Os documentos obtidos pelo The Post também incluem uma "Carta de Compromisso de Advogado" assinada em setembro de 2017, na qual um dos principais tenentes de Ye, o ex-funcionário do governo de Hong Kong Chi Ping Patrick Ho, concordou em pagar a Biden um adiantamento de US $ 1 milhão por "Advogado para assuntos relacionados às leis e conselhos dos EUA relativos à contratação e análise jurídica de qualquer escritório de advocacia ou advogado dos EUA".

Em dezembro de 2018, um júri federal de Manhattan condenou Ho em dois esquemas de pagar US $ 3 milhões em subornos a altos funcionários do governo na África pelos direitos do petróleo no Chade e negócios lucrativos em Uganda.

1602795518668.png

Ho cumpriu uma pena de prisão de três anos e foi deportado para Hong Kong em junho.

Nem o advogado de Biden, a campanha de Joe Biden, Gilliar, Dong e os advogados de Ho retornaram os pedidos de comentários, mas o advogado de Biden disse anteriormente: "Não há necessidade de comentários sobre qualquer suposta informação fornecida por Rudy Giuliani".

"Ele tem defendido teorias de conspiração amplamente desacreditadas sobre a família Biden, contando abertamente com atores ligados à inteligência russa. Seu histórico de desonestidade nesses assuntos fala por si", acrescentou o advogado George Mesires.

Reportagem adicional de Reuven Fenton.




1602795680647.png

O CEO, dono do Twitter, Jack Dorsey, será intimado a testemunhar no Senado americano sobre a censura das reportagens do The Post

Por Steven Nelson

Os republicanos do Comitê Judiciário do Senado disseram na quinta-feira que realizarão uma audiência na terça-feira para obrigar o presidente-executivo do Twitter a testemunhar sobre a censura do The Post sobre documentos relacionados à Ucrânia e à China em um suposto disco rígido de Hunter Biden.

"Isso é interferência eleitoral e faltam 19 dias para uma eleição. Não tem precedentes na história da democracia. O Comitê Judiciário do Senado quer saber o que diabos está acontecendo", disse o senador Ted Cruz (R-Texas) a repórteres no corredor de um prédio de escritórios do Senado.

"A presidente Lindsey Graham e eu discutimos isso longamente e o comitê hoje notará uma marcação na terça-feira para emitir uma intimação para Jack Dorsey, o CEO do Twitter, para testemunhar perante o Comitê Judiciário do Senado na próxima sexta-feira."

O senador Josh Hawley (R-Mo.), que na quarta-feira também solicitou uma investigação da Comissão Eleitoral Federal, disse que "os monopólios mais poderosos da história americana estão tentando controlar as notícias e interferir nas eleições federais".

"Este não é um blog qualquer. Este é o jornal fundado por Alexander Hamilton, pelo amor de Deus. O que está realmente em jogo aqui é uma imprensa livre neste país e devo dizer que isso é realmente alarmante", disse Hawley.

"Nenhuma corporação deve ser capaz de determinar o resultado de uma eleição [...] Eu acredito em uma imprensa livre e acho que é absolutamente sem precedentes para monopólios que controlam cada vez mais as notícias na América para determinar o que será ou não divulgado com base no que uma campanha política diz a eles. ”

Os republicanos detêm a maioria no comitê do Senado. Não está claro o que os democratas, em minoria, podem fazer para retardar os planos.

"Se os democratas tentassem jogar jogos processuais para atrasar a intimação até depois da eleição, isso seria óbvio e transparentemente político", disse Cruz.

Graham (R-SC), saindo para o corredor para discutir o assunto urgente em meio à audiência de confirmação de seu Comitê Judiciário para a nomeada da Suprema Corte de Amy Coney Barrett, disse aos repórteres: "Vamos finalmente ter uma prestação de contas que está muito atrasada. Essas plataformas de mídia social têm um domínio em nossas vidas. Eles são jornais, são estações de TV, estações de rádio, são editores."

"Você pode ser um democrata, dizendo 'Não quero ouvir o New York Post'. Pode ser você amanhã”, advertiu Graham.

Graham alegou um duplo padrão no tratamento de histórias controversas sobre o presidente Trump.

"Eles nunca bloquearam isso, todas as alegações sobre conluio russo e Trump e todas as outras ideias de que Trump pode ter feito algo ruim - ninguém bloqueou isso", disse Graham.

A matéria censurada inicial do Post na quarta-feira descreveu um e-mail indicando que Hunter Biden apresentou seu pai, vice-presidente, a um executivo da empresa de energia da Ucrânia Burisma, apesar de Joe Biden, agora o candidato presidencial democrata, dizer que nunca discutiu "negócios no exterior" de seu filho com ele.

O Twitter bloqueou os usuários na quinta-feira de compartilhar uma história do The Post que descreve a alegada busca de Hunter Biden por um acordo comercial na China.

A empresa afirmou, sem evidências, que o material pode ter sido hackeado.

O disco rígido foi compartilhado com o Post pelo ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani, advogado pessoal de Trump, depois que ele o recebeu de um reparador de computadores de Delaware. O técnico diz que acessou legalmente o conteúdo sob uma cláusula de contrato de abandono, quando Hunter Biden não retirou um laptop danificado dentro de 90 dias.

Na quarta-feira, legisladores republicanos e Trump citaram a censura do artigo do Twitter e do Facebook em pedidos de reforma da Seção 230 do Communications Decency Act, um escudo de responsabilidade fundamental na Internet para sites que hospedam conteúdo de terceiros.

Os defensores da reforma da Seção 230 dizem que os gigantes da tecnologia deveriam perder proteções se operassem como editoras, e não como plataforma neutra.

O Twitter se recusou a comentar sobre a intimação.
Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Últimas Avaliações

Confiança da Fonte
5,00 estrelas(s)
Pros: A nota BOM refere as dificuldades de tradução imediata, embora pudesse ser ótima pelo conteúdo.
É necessário dissolver os esforços que obstruem a informação e, assim, o trabalho do POLITZ é importante pois permite que saibamos por aqui o que ocorre por lá.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
9.159
Análises
1
Última atualização
Nota
4,00 estrelas(s) 1 notas

Compartilhar

Top Bottom