#TraduçõesPOLITZ Traduzimos o artigo de propaganda esquerdista e democrata da TIME: A História Secreta da Campanha Obscura que Salvou As Eleições de 2020

Dados da Imagem
Imagem ilustrativa (Ilustração de Ryan Olbrysh para a revista TIME).

Introdução

A História Secreta da Campanha Obscura que Salvou As Eleições de 2020​

Por Molly Ball para o TIME.
Coautoria de Leslie Dickstein, Mariah Espada e Simmone Shah.

Artigo traduzido e adaptado na íntegra por PEDRO POLITZ.

Nota do Editor: O POLITZ recebeu diversos pedidos dos(as) nossos(as) grandes seguidores(as) referentes à este artigo e como sempre, dando os devidos créditos originais aos autores, o POLITZ logo tratou de iniciar a tradução do mesmo. É um artigo longo, que estamos disponibilizando gratuitamente para todos os leitores. Ele ganhou muita repercussão nas redes sociais, onde internautas praticamente afirmaram que o establishment político e midiático assumiu o conluio entre as grandes corporações, empresas da Big Tech, manipulando o fluxo de informações, o controle de dados, o acesso à transparência até mesmo as famosas narrativas, disfarças de verdadeiras fake news e até uma possível fraude eleitoral para garantir a vitória de Joe Biden, contra o Presidente Donald Trump. Como sempre, tentaremos apresentar a tradução da maneira mais fiel possível ao texto original, respeitando o contexto e o interesse da autoria original em repassar a ideia ora apresentada.

A revista TIMES notoriamente, como toda mídia tradicional, é voltada ideologicamente à esquerda, o texto é extremamente parcial e muito, mas muito manipulativo, utilizando falsas narrativas geradas pela grande mídia, como por exemplo, de que "Trump não é democrático" ou que ele "estava atacando a democracia", que é um "fascista", nazista, taxista, conspirador, antidemocrata, responsável pelos protestos no Capitólio e as ladainhas de sempre. A revista, o artigo, bem como a autora, denotam um tom de prepotência gigantesca, agindo como verdadeiros donos da verdade, acima de todos os cidadãos, meros mortais, que possuem o direito inalienável, natural e indiscutível de liberdade de expressão, especialmente para questionar fatos que aparentam não estarem de acordo com uma realidade proposta. Considero pessoalmente como pura propaganda política partidária e ideológica o presente artigo.

Tomamos a liberdade de fazer alguns destaques em pontos que achamos extremamente importantes, além dos famosos comentários do Editor (no caso, eu mesmo), em caráter estritamente opinativo, não refletindo necessariamente a verdade e sim, opinião própria.

Em caso de erros, sugestões de correções, críticas ou comentários, fiquem à vontade para comentar abaixo, ou usar o formulário de Contato no final da página.


Uma coisa estranha aconteceu logo após a eleição de 3 de novembro: nada.

A nação estava preparada para o caos. Grupos liberais (N.E.: Liberais nos Estados Unidos se referem à "esquerda", em especial, extrema-esquerda) prometeram tomar as ruas, planejando centenas de protestos em todo o país. Milícias de direita estavam se preparando para a batalha. Em uma pesquisa antes do dia da eleição, 75% dos americanos expressaram preocupação com a violência.

Em vez disso, um silêncio assustador desceu. Como o presidente Trump se recusou a ceder a vitória, a resposta não foi uma ação em massa, mas pequenos grilos. Quando as organizações das mídias tradicionais chamaram a vitória da corrida de Joe Biden em 7 de novembro, o júbilo estourou, enquanto as pessoas aglomeravam-se nas cidades dos EUA para celebrar o processo democrático que resultou na demissão de Trump.

1612553131261.png

Imagem publicada no artigo original da revista TIMES (Divulgação).

Uma segunda coisa estranha aconteceu entre as tentativas de Trump de reverter o resultado: a América corporativa se voltou contra ele. Centenas de grandes líderes empresariais, muitos dos quais apoiaram a candidatura de Trump e suas políticas, pediram-lhe que cedesse. Para o presidente, algo parecia errado. “Foi tudo muito, muito estranho”, disse Trump em 2 de dezembro. “Poucos dias após a eleição, testemunhamos um esforço orquestrado para ungir o vencedor, mesmo enquanto muitos estados-chave ainda estavam contando os resultados.”

De certa forma, Trump estava certo.

Houve uma conspiração se desenrolando nos bastidores
, que tanto restringiu os protestos quanto coordenou a resistência dos CEOs. Ambas as surpresas foram o resultado de uma aliança informal entre ativistas de esquerda e titãs empresariais. O pacto foi formalizado em uma declaração conjunta concisa e pouco notada da Câmara de Comércio dos EUA e da AFL-CIO publicada no dia da eleição. Ambos os lados viriam a ver isso como uma espécie de barganha implícita - inspirada pelos massivos, às vezes destrutivos protestos por justiça racial - em que as forças do trabalho se uniram às forças do capital para manter a paz e se opor ao ataque de Trump à democracia.

(N.E.: A autora não define, não apresenta provas e nem explica quais foram os ataques de Trump à democracia, como todo discurso esquerdista quando quer atingir um adversário, apenas utiliza a falácia do ad hominem para desqualificar a vítima. No próximo parágrafo, Trump é acusado de impor uma ditadura autocrática nos Estados Unidos, pois 'é inclinado' a isso, também sem mostrar provas de qualquer dano à democracia).

O aperto de mão entre as empresas e os trabalhadores foi apenas um componente de uma vasta campanha interpartidária para proteger a eleição - um extraordinário esforço paralelo dedicado não a ganhar o voto, mas a garantir que fosse livre e justo, confiável e não corrompido. Por mais de um ano, uma coalizão vagamente organizada de operativos lutou para sustentar as instituições dos Estados Unidos enquanto elas eram atacadas simultaneamente por uma pandemia implacável e um presidente com inclinação autocrática. Embora grande parte dessa atividade tenha ocorrido na esquerda, ela foi separada da campanha de Biden e cruzou as linhas ideológicas, com contribuições cruciais de atores apartidários e conservadores. O cenário que os defensores das sombras estavam desesperados para impedir não era uma vitória de Trump. Foi uma eleição tão calamitosa que nenhum resultado pôde ser discernido, um fracasso do ato central de autogoverno democrático que tem sido uma marca registrada da América desde sua fundação.

Este trabalho [das sombras] tocou todos os aspectos da eleição. Eles fizeram com que os estados mudassem os sistemas de votação e as leis e ajudaram a garantir centenas de milhões em financiamento público e privado. Eles se defenderam de ações judiciais de supressão de eleitores, recrutaram exércitos de funcionários eleitorais e fizeram milhões de pessoas votarem pelo correio pela primeira vez.

Eles pressionaram com sucesso as empresas de mídia social a adotar uma postura mais dura contra a desinformação e usaram estratégias baseadas em dados para combater as manchas virais.

(N.E.: As mídias tradicionais usam as narrativas de 'desinformação' e 'fake news', também na intenção de criminalizar um discurso opositor ao establishment envolvido. Estratégia comumente utilizada por toda a esquerda globalista, sem exceção. É comum não saberem separar fatos de opiniões para eles. No próximo parágrafo, há afirmações de que Trump usava 'teorias de conspiração', outra forma de desqualificar o oponente. Afinal, basta usar o termo 'teoria da conspiração' e automaticamente a mídia te trata como um louco varrido, sendo nada mais do que um questionamento fundamentado em relação a determinado fato defendido pelas narrativas oficiais e que não parecem estarem de acordo com uma verdadeira realidade, levantando dúvidas lógicas sobre qualquer assunto).

Eles executaram campanhas nacionais de conscientização pública que ajudaram os americanos a entender como a contagem dos votos se desenrolaria ao longo de dias ou semanas, evitando que as teorias da conspiração de Trump e as falsas alegações de vitória ganhassem mais força. Após o dia da eleição, eles monitoraram todos os pontos de pressão para garantir que Trump não pudesse reverter o resultado. “A história não contada da eleição são os milhares de pessoas de ambos os partidos que conquistaram o triunfo da democracia americana em sua fundação”, disse Norm Eisen, um advogado proeminente e ex-funcionário do governo Obama que recrutou republicanos e democratas para o conselho do Programa de Proteção ao Eleitor.

Pois Trump e seus aliados estavam fazendo sua própria campanha para estragar a eleição. O presidente passou meses insistindo que as cédulas pelo correio eram uma conspiração democrata e que a eleição seria "fraudada".

(N.E.: O POLITZ, bem como outras mídias independentes, além de diversos outras internacionais, cansaram de realizar a cobertura das eleições americanas, demonstrando os graves indícios de fraudes eleitorais que ocorreram por conta dos famosos 'ballots' eleitorais, dentre outros. Noticiamos prisões de funcionários, votos de pessoas mortas, pessoas que votaram mais de uma vez em diferentes estados, caixas postais chegando da China, funcionários assinando papéis gravados em câmeras e os picos de 'drops' nos gráficos de votos em favor de Joe Biden, bem como, votos de Donald Trump que sumiram, além do estranho envolvimento das empresas privadas que cuidaram das eleições e suas ligações externas).

Seus capangas em nível estadual procuraram bloquear o uso dos votos postais, enquanto seus advogados trouxeram dezenas de processos espúrios para dificultar a votação - uma intensificação do legado de táticas supressivas do Partido Republicano. Antes da eleição, Trump planejou bloquear a contagem de votos legítimos. E ele passou os meses após 3 de novembro tentando roubar a eleição que ele havia perdido - com processos e teorias da conspiração, pressão sobre autoridades estaduais e locais e, finalmente, convocando seu exército de apoiadores para o comício de 6 de janeiro que terminou em violência mortal no Capitólio americano.

(N.E.: Não há nenhuma prova concreta, apenas alegações da mídia, de que Donald Trump teria convocado os protestos. Há um fato que é muito bem omitido por todas as mídias tradicionais: o vídeo postado por Donald Trump que culminou em seu banimento completo das redes sociais, ele teria pedido claramente que os manifestantes não praticassem a violência, ficassem em paz e retornassem para suas casas).

Os ativistas da democracia assistiram alarmados. “Todas as semanas, sentíamos como se estivéssemos em uma luta para tentar realizar esta eleição sem que o país passasse por um momento realmente perigoso de desmoronamento”, disse o ex-representante do Partido Republicano Zach Wamp, um apoiador de Trump que ajudou a coordenar uma proteção eleitoral bipartidária conselho. “Podemos olhar para trás e dizer que tudo correu muito bem, mas não estava claro em setembro e outubro que seria esse o caso.”

1612555416551.png

Apoiadores de Joe Biden na Filadélfia, em 7 de novembro (Divulgação / Michelle Gustafson / TIMES).

Esta é a história interna da conspiração para salvar as eleições de 2020, com base no acesso ao funcionamento interno do grupo, documentos nunca antes vistos e entrevistas com dezenas de pessoas envolvidas de todo o espectro político. É a história de uma campanha sem precedentes, criativa e determinada, cujo sucesso também revela como a nação esteve perto do desastre. “Todas as tentativas de interferir no resultado adequado da eleição foram derrotadas”, disse Ian Bassin, cofundador do Protect Democracy, um grupo apartidário de defesa do Estado de Direito. “Mas é extremamente importante para o país entender que isso não aconteceu acidentalmente. O sistema não funcionou magicamente. A democracia não é autoexecutável.”

É por isso que os participantes querem que a história secreta da eleição de 2020 seja contada, mesmo que pareça um sonho febril paranoico - uma cabala bem financiada de pessoas poderosas, abrangendo setores e ideologias, trabalhando juntos nos bastidores para influenciar percepções, mudar regras e leis, orientam a cobertura da mídia e controlam o fluxo de informações. Eles não estavam manipulando a eleição; eles o estavam fortalecendo. E eles acreditam que o público precisa entender a fragilidade do sistema para garantir que a democracia na América perdure.

Gosta do Nosso Trabalho?
O POLITZ é uma mídia livre, independente e que não recebe qualquer dinheiro público ou político/partidário e é mantida apenas por propagandas e assinaturas dos(as) nossos(as) leitores. Se você gosta do nosso trabalho, considere nos ajudar, desabilitando bloqueadores de propaganda e fazendo uma assinatura de qualquer valor.
Clique aqui para ser direcionado ao nosso Apoia.se

Nota Legal: Nossas publicação são necessariamente baseadas em fontes originárias/primárias/secundárias e são sempre citadas com os devidos links para conferência e verificação à informação, em respeito à responsabilidade solidária na via de dupla checagem dos fatos pelo POLITZ e pelo(a) próprio(a) leitor(a). Repudiamos as chamadas fake news, falsas narrativas e manipulações via desinformação propagadas pelas mídias tradicionais, criando mecanismos duplos para o fact checking.
Opiniões são diferentes de fatos publicados e noticiados e podem não representar necessariamente o posicionamento do POLITZ na qual exerce e defende incondicionalmente o direito à liberdade de expressão, livre manifestação de pensamento, de posicionamento político e religioso (Constituição Federal de 1988, art. 5º, incisos IV, VI, IX, XIX. - Pacto de San José da Costa Rica. Decreto n. 678/1992. arts. 12 e 13. - Declaração Universal dos Direitos Humanos, arts. 18 e 19 e outras legislações nacionais ou internacionais aplicáveis, especialmente nas quais a República Federativa do Brasil é signatária).
Créditos sempre devidos para todos os(as) autores(as), incluindo imagens de capa e do corpo, ilustrações e outras. Em caso de erro, correção, sugestão, violação de direitos autorais, utilize o botão "Denunciar", o formulário de "Contato" ou deixe um comentário. Tais solicitações são tratadas com prioridade.
Sobre o(a) Autor(a):
POLITZ
Esse é o Perfil Oficial usado pela Equipe de Redação do POLITZ para criar as nossas matérias. As reportagens assinadas individualmente possuem perfil próprio.

Como de costume, oferecemos a fonte originária de todas as informações publicadas no final de cada artigo, com exceção das fontes internas. Captamos diversas informações pelo exclusivo #AlgoritmoPOLITZ que tem um alcance mundial.

Se você gosta do nosso trabalho como mídia independente, considere nos apoiar financeiramente com qualquer valor. Lembre-se que nós não recebemos dinheiro de políticos ou empresas estatais e só funcionamos com contribuições de vocês.

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
POLITZ
Visual.
1.362
Última atualização

Compartilhar

Top Bottom