• Olá Visitante! Seja muito bem vindo(a)!

    O #FórumPOLITZ é uma Comunidade única, sendo a primeira rede social no estilo de Fórum criada para pessoas que tem sede de conhecimento, conteúdo, informação e que adora uma boa discussão. Prezamos pela liberdade de expressão, em uma rede totalmente segura, livre de censuras e perseguições ideológicas.

    Oferecemos recursos exclusivos, em uma plataforma construída no que há de mais moderno no mundo. Para aproveitar tudo isso, é preciso Criar um Perfil. É rápido, fácil e totalmente gratuito. Você pode usar até a sua conta no Twitter para fazer isso.

    Junte-se a nós, venha se informar e compartilhar o seu conhecimento com a comunidade que mais cresce no Brasil. Esperamos que goste :)

Vitória de Boris na Área Trabalhista

Algo aconteceu na Grã-Bretanha, que não é totalmente diferente do que aconteceu nos Estados Unidos com Trump. Um grande número de apoiantes trabalhistas de esquerda mudaram para apoiar Boris Johnson e elegeram, pela quarta vez consecutiva, um primeiro-ministro conservador. A escala desta conversão é, no contexto britânico, relativamente sem precedentes - é o menor número de lugares do Partido Trabalhista desde 1935 e a maior maioria conservadora desde a vitória eleitoral de Thatcher, em 1987. Os assentos que votaram no Partido Trabalhista por mais tempo do que a esperança média de vida da maioria das pessoas ainda mudaram de mãos. O assento com a mais longa história de apoio aos Trabalhistas foi Rother Valley, nos arredores de Sheffield, em Yorkshire. Rother Valley tinha eleito um deputado trabalhista a cada eleição desde 1918. Vizinho Don Valley foi Tory depois de ser trabalhista por 97 anos, como fez Leigh em Greater Manchester. Wakefield, também no Norte, tinha sido detido pelo Partido Trabalhista durante 87 anos - até hoje.

Duas coisas em conjunto afastaram a classe trabalhadora britânica do Partido Trabalhista: Jeremy Corbyn e Brexit. O líder trabalhista ofendeu profundamente a honra da classe trabalhadora britânica. Aqui estava um homem que desprezava o seu próprio país, um homem que não encontrava nada de bom na história da nossa ilha. Aqui estava um homem que se consorciou com os inimigos da Grã-Bretanha, com terroristas, com islamistas. Aqui estava um homem que fomentou uma cultura metropolitana de auto ódio, repúdio e despertou um anti-semitismo de classe média alta. Além disso, esse era um homem que buscava o controle do Estado para que ele e seu quadro pudessem controlar e reescrever as normas comuns de pensamento, crença e comportamento.

Compor e concentrar tudo isso foi o grande fenômeno político pós-liberal que foi e é o Brexit. Aos olhos dos que votaram a favor da saída, foi um voto contra tudo o que o liberalismo forjou e tudo o que o liberalismo(grifo meu:O liberalismo aqui é retratado como o liberalismo clássico e o liberalismo na ótica da esquerda americana) trouxe: um mundo de insegurança social, econômica e cultural desenfreada. Um mundo onde os valores comuns e a coesão social estão ameaçados pela imigração em massa e pela possível importação de crenças e valores hostis. Um mundo onde os governantes britânicos favorecem os estrangeiros em detrimento dos internos. Um mundo onde seus valores e vidas são repudiados e ridicularizados por uma elite graduada que, em essência, decidiu que precisam ser substituídos, ou pelo menos coagidos, pelas formas de linguagem e ideologias sexuais das classes iluminadas superiores.

Assim, agora o Partido Conservador britânico, a pátria, desde David Cameron, de um liberalismo social e econômico desenfreado, tem um novo círculo eleitoral que, no cômputo geral, rejeita ambos. A questão para aqueles de nós (e eu sou um deles) que querem uma ordem pós-liberal que não é fundada no sectarismo de raça, lugar ou classe é: O que fará o Partido Conservador com tal fundação e base?

Os liberais econômicos constituem a esmagadora maioria do Partido Conservador. Alguns não são liberais sociais, mas, ainda assim, este é o grupo de liderança intelectual que deve agora formular uma oferta para um eleitorado conservador pós-liberal inteiramente novo. A curto prazo, é improvável que os Conservadores consigam chegar a uma posição verdadeiramente pós-liberal. Ao contrário de Trump, eles continuam convencidos de que uma nova nação comercial global levantará todos os barcos, quando, infelizmente para as nações desenvolvidas, todas as evidências são contrárias. Em termos de uma agenda socialmente conservadora como apoiar a família, as chances são muito melhores. Mas a observação real aqui não é a eficácia ou não do atual Partido Conservador para atender às necessidades de seus novos eleitores da classe trabalhadora, é a realidade que o partido tem de atender a essas necessidades se quiser sobreviver.

Na política, a realidade é salvação. Na política, conhecer a realidade é difícil, mas é justamente compreendê-la corretamente e poder explorá-la por gerações, produzindo maioria após maioria. E a pré-condição material e ideacional fundamental do pós-liberalismo no Reino Unido está agora em vigor. Pela primeira vez desde o século XIX, os conservadores britânicos têm de servir a classe trabalhadora em seus próprios termos.

Aqueles que votaram pela primeira vez no Conservadorismo não querem e vão, com razão, rejeitar qualquer proposta de Thatcherismo do lado da oferta. Porque sabem que, sob esses auspícios, serão mais uma vez abandonados à insegurança e à privação. Têm exigências explícitas à cultura, à sociedade e à economia que não podem ser satisfeitas pelo liberalismo. A maioria conservadora está agora com estas pessoas e outra não pode ser conquistada sem elas. A própria realidade política garantirá agora que as políticas e as promessas devem emanar de um futuro em que o liberalismo já não nos possa servir ou orientar.
Fontes das Informações
  • Curtir
Reactions: POLITZ
Sobre o(a) Autor(a):
Y
Advogado, fez o Curso de Conservadorismo do Instituto Burke, fez o curso de Filosofia Política da Professora Rochelle, participou da criação do Partido Conservador(atual PACO) e um dos fundadores do Articulação Conservadora. Um dos propagadores das ideias do Professor Yoram Hazony no Brasil(seu livro será lançado pelo Professor Evandro).

Comentários

Não há comentários para mostrar.

Informações da Publicação

Autor(a)
YoramHazony
Visual.
311
Última atualização

Mais em Da Comunidade

Mais de YoramHazony

Compartilhar

Top Bottom